Cover Model é o novo canal do iG para 'mulheres peladas'


Busque por sexo na internet, já que esse é o assunto mais buscado na internet e o mais compartilhado nas redes sociais, por que não investir em fotos de mulheres peladas.?

O iG acaba de lançar o “Cover Model”, seu canal destinado a ensaios fotográficos sensuais de modelos e celebridades do mundo artístico e da moda. Ou seja, mulher pelada, brasileiras peladas na tela do seu computador!

A primeira modelo a estrear no canal é a Gianne Albertoni.

As fotos serão mais uma inspiração para as amadoras que você encontra no Instagram e outras redes sociais se inspirarem em seus perfis e postagens.

Além dos ensaios, o espaço terá “making of” e entrevistas. “As conversas agregam conteúdo, fazendo com que o ensaio desperte o interesse dos públicos masculino e feminino”, afirma André Jalonestky, publisher do portal.

Resumindo, já que a Playboy saiu da asa do Grupo Abril, anda melhor do que "invadir" um segmento que nunca parou de crescer!

Mais acessos, mais audiência, mais cotas de publicidade vendidas!

Viu onde se encaixa o Marketing nesse contexto?

Fonte: meioemensagem

Marketing da Disney cria 400 emojis para iOS e Android

A estratégia de marketing da Disney está no caminho certo, se a maioria das pessoas usam o celular, porque não espalhar as extensões da marca, representada pelos seus personagens, nos celulares?

BrainStorm
QUais os aplicativos mais utilizados no celular depois, já que o telefone vem em segundo ou terceiro lugar?
Aplicativos de mensagens diretas! Óbvio. Logo faz todo sentido preparar o lançamento de uma coleção de emojis inspirados em seus carismáticos personagens.


Serão cerca de 400 emojis, que vão dos clássicos da marca (como "Alice No País das Maravilhas" e "Pequena Sereia") aos mais atuais (como "Monstros S.A." e "Lilo & Stitch").

Ainda há, claro, Mickey, Minnie, Pluto, Pato Donald e outros clássicos.

Os emojis incluem personagens originais da Pixar (que foi comprada pela Disney em 2006).



No teaser divulgado no YouTube, um jogo chamado "Disney Emoji Blitz" vai ajudar os usuários a colecionarem os novos emojis no smartphone.

A novidade estará, em breve, disponível para iOS e Android.


Fonte: Exame

Kopenhagen lança sobremesa no Outback


Continuando sua estratégia de ampliar parcerias e visibilidade da marca, o Lajotinha Magma Cake é nova sobremesa da Kopenhagen no Outback.

Exclusividade
É a primeira sobremesa individual do restaurante.

É, também, a primeira vez que o Outback "autoriza" outra marca a criar uma sobremesa em parceria.

O Lajotinha Magma Cake é um bolo quente de chocolate, servido com sorvete de baunilha, calda de caramelo, morangos e pedaços de Lajotinha da Kopenhagen.

Já as lajotinhas são folhas crocantes de wafer, recheadas com creme de castanha de caju e canela e cobertas de chocolate ao leite.

O doce fica por tempo limitado nos cardápios e vai custar 18 reais.

Enquanto os restaurantes e as grandes marcas de produtos alimentícios "abusam" nas parcerias, outros segmentos de produtos e serviços ainda se mostram altamente resistentes a ações de marketing cooperado.

Fonte: Exame

McDonald’s lança Batatas Rústicas e 'acaba' com exclusividade das hamburguerias

Depois da estratégia de entrar no mercado de hambúrgueres gourmet, o McDonald's agora resolve dar a "cartada" final para capturar os clientes das hamburguerias com sua Batata Rústica.

Desde 05/07/2016, você já pode pedir o novo acompanhamento em todos os restaurantes da rede no Brasil.

Famoso por suas icônicas McFritas, o McDonald’s foi buscar inspiração na França para ampliar sua linha de batatas. Elas são apresentadas com um toque mais artesanal e um corte especial, mais grosso, além de serem cobertas com páprica e especiarias, o que garante crocância e um sabor singular às batatas, deixando-as bem sequinhas e saborosas.

“Nosso desafio é apresentar sempre novas experiências de sabor ao consumidor. Diante disso, vimos uma grande oportunidade ao conhecer as Batatas Rústicas vendidas no McDonald´s da França. Quem provar o novo acompanhamento com certeza sentirá um sabor de simplicidade e nostalgia, seguindo a linha de comfort food”, afirma Roberto Gnypek, Vice-Presidente de Marketing do McDonald´s.

“Ao desenvolver as Batatas Rústicas decidimos utilizar a mesma batata que utilizamos nas McFritas, um ingrediente que conta com altíssimo padrão de qualidade e já é um ícone de sabor para o nosso consumidor. Com uma embalagem diferenciada que destaca a qualidade do produto, com certeza esse será mais um grande sucesso da rede”, afirma Ives Uliana, Diretor de Supply Chain do McDonald’s.

As Batatas Rústicas ficarão no menu por tempo limitado e poderão ser compradas à La Carte ou substituir as McFritas como acompanhamento da McOferta por apenas mais R$ 2,00.

Fonte: Multitexto

Wendy's é 3ª maior rede de fast food de hambúrguer do mundo, agora no Brasil

Wendy's no Brasil
Em 1992, a marca Arby's, que pertencia à Wendy's, estreou em São Paulo, mas fechou sete anos depois.

Fundada em 1969, em Ohio, a rede é famosa por seus lanches "à moda antiga" e pelo hambúrguer de formato quadrado.

Na América Latina, já está em países como Argentina, Chile e Venezuela.

Fora dos EUA, Porto Rico conta com o maior número de restaurantes: 78. As Filipinas vêm logo atrás, com 45.

Entre as marcas americanas de fast food, é a sétima maior em número de lojas (atrás de Subway, McDonald's e Burger King, por exemplo).

No mundo, conta com 6479 restaurantes. Destes, 5847 são de franqueados.

Em termos de vendas, é a quinta maior nos EUA, com vendas de 8,5 bilhões de dólares (2014).

A pergunta é: você acha que as primeiras lojas irão ter um cardápio tropicalizado? Ou seja, com "cara e gosto" do que o brasileiro gosta?

Pergunta 2: investir em franquia de uma nova marca não é só quanto irá pagar pela franquia, mas um total de uns 2 anos de caixa, quando o seu negócio irá, teoricamente, atingir o ponto de equilíbrio.

Fonte: Exame

Com GoBox, Abril cria marketplace de clubes de assinatura para faturar R$ 250 milhões em três anos

Se você fosse a maior empresa de entregas de assinaturas de revistas do país, e em termos de tamanho, da América Latina, tivesse a logística, uma database de assinantes, marcas fortes e a conexão para atrair outros fornecedores e até anunciantes para distribuir produtos em caixas, o que você faria?

Acho até que foi uma questão de tempo, já que as pequenas empresas estão surfando nesse negócio e o Grupo Abril não poderia ficar de fora e criou a GoBox (18.05.2016), serviço que pretende ser um marketplace de clubes de assinatura.

A empresa passa a reunir esforços de diversas de suas unidades de negócios — como distribuição, assinaturas, gráfica e mídia –, com parceiros comerciais para entregar periodicamente, na casa de consumidores interessados, caixas temáticas de produtos diversos, como vinhos, maquiagens, colecionáveis, fraldas etc. A expectativa é alcançar 200 mil assinaturas e faturar R$ 250 milhões em três anos, o que faria da GoBox a terceira maior fonte de renda da Abril Mídia.

“A Abril tem seu objetivo de ser um concierge de conteúdo, levando a migração para o digital segundo o entendimento de que essas capacidades se adicionam, mas não se substituem, seja em mídia, seja em varejo”, afirma Walter Longo, presidente do grupo. Segundo o executivo, que assumiu a posição há pouco mais de dois meses, o projeto segue uma tendência internacional de consolidação de clubes de assinaturas.

Segundo números divulgados pela própria Abril, há hoje cerca de 10 mil serviços do tipo no mundo, com crescimento estimado de 200% ao ano. A Associação Brasileira dos Clubes de Assinatura contabiliza mais de 220 serviços do gênero no País, que somam cerca de 400 mil associados. Segundo a entidade, os clubes têm crescido especialmente nos últimos cinco anos. Já representam 1% de todo e-commerce nacional e projetam movimentar R$ 1 bilhão até o fim de 2016.

Clubes já existentes poderão participar da GoBox usufruindo de recursos oferecidos pelas empresas Abril na área de produção de conteúdo, embalagem, logística e big data. Outros, serão criados pela própria Abril com parceiros. Alguns já estão em desenvolvimento com empresas como Eataly, Pampers, Pantene, Via Verde e Ville du Vin. Há ainda a formatação de clubes específicos para produtos de licenciamento da Abril, como Capricho ou Disney.

Os produtos a serem enviados nas caixas receberão uma curadoria realizada por experts das empresas parceiras e profissionais da Abril de marcas relacionadas — jornalistas de Elle, por exemplo, poderão ajudar a indicar maquiagens a compor caixas oferecidas pela Open Beauty. As redações da Abril deverão também produzir conteúdo relacionado às caixas, que poderão ou não trazer exemplares de revistas, a depender do kit, da edição e da ação estruturada pela equipe de Dimas Mietto, sales manager director, à frente das áreas de assinaturas, vendas vulsas, acervo e e-commerce.

Marketing
“Hoje estamos desenvolvendo 20 clubes de assinatura e outras cinco parcerias estão em conversa, mas até o final de julho já deveremos ter as primeiras caixas prontas”, relata Dimas. A estratégia atual do grupo é divulgação B2B, por dois meses, para empresas interessadas na parceria, com circulação de peças em produtos internos, como Veja e Exame, rádios, veículos do trade e jornais. “Queremos, primeiro, explicar a empresários como ter um novo mercado e a renda recorrente”, explica Tiago Afonso, chief marketing officer do Grupo Abril.

“Posteriormente, com as caixas disponíveis, vamos investir no consumidor, criando journeys para conversar, por exemplo, com as jovens que seguem a Capricho e identificar o que elas desejam, do que gostariam num clube, uma segunda fase de campanha completamente voltada à conversão, usando leading de vendas, com propaganda e produção do ABC voltado a marketing”, complementa, referindo-se à Abril Branded Content, área da empresa voltada à produção de conteúdo para marcas.

A empresa está investindo R$ 20 milhões no lançamento da GoBox, sendo cerca de 70% desse orçamento direcionado a divugação. Boa parte do cálculo é o equivalente ao preço de circulação de mídia nos próprios veículos da casa.

A estratégia de divulgação ganha importância ainda maior em contexto de crise econômica, com queda no consumo. “Se pensarmos em momentos como este, as pessoas valorizam alguém que ajuda a comprar e fazem perceber que naquele mix de produtos da caixa gasta-se R$ 170 no que seria R$ 200 se comprasse separado. Tende a ser favorável, é um benefício”, diz Walter. “Quando não há crise, esse efeito é menor e o que prevalece é a curadoria e o efeito surpresa.”

O executivo reforça que o endosso de celebridades ou experts colaboram na decisão de compra. Haverá kits cujo conteúdo ou recomendação será assinada por youtubers famosos ou nomes como Arnaldo Lorençato, para gastronomia, e Ticiane Pinheiro, para beleza e estética — nomes já cotados para trabalharem com a GoBox. “No final das contas, além de criarmos um market place, os clubes de assinatura também são um sampling, uma degustação de produtos, e as personalidades ajudam a movimentar essas indicações”, diz Walter.

A partir de agosto, os produtos Pampers, da Procter&Gamble, estarão entre os oferecidos nas caixas. O GoBox também fechou acordos com a Ville Du Vin e Socks On the Beat, além do Clube Capricho, marca da companhia direcionada aos adolescentes e que receberá curadoria da redação.

Também a partir do próximo mês, a plataforma passará a oferecer uma série de clubes de assinaturas já disponíveis no mercado, como Farofa LA e Gluten Free Box, de snacks, Sublime Rituais, de cosméticos, e Girl in the box, de bijuterias.

O valor das mensalidades das assinaturas escolhidas pode variar de R$ 20 a R$ 250. As caixas comercializadas pelo GoBox permitem planos trimestrais.

Ok, você chegou até aqui e leu tudo, certo? O que aprendeu com tudo isso? Que você pode não ser o primeiro, que pode diversificar os seus negócios, e que pode gerar muito mais dinheiro, faturamento, independente de crise do mercado, se você colocar em prática e investir em novos negócios. Simples assim. Sabe o que vai acontecer? Muitos outras empresas vão tentar imitar, mas será que conseguirão entrar nesse ponto da curva do segmento de "assinaturas" com a gigante do mercado nesse quesito?

Quer diversificar seus negócios?

Fonte: mmonline

4 passos para cuidar da reputação da sua marca


Todas as empresas possuem um nome, uma marca, planejada ou não isso é fruto essencial das atividades de Marketing, que alguns chamam de Branding (marca em ação?) e criam toda uma "ciência" para poder explicar com fórmulas como elas funcionam. Mas o fato é que realmente há muitos estudos acadêmicos e científicos em artigos internacionais sobre as variáveis que gravitam em torno de uma marca e uma delas é a sua reputação, como os terceiros enxergam sua marca, seu nome, sua empresa.

Aqui apresentamos os cuidados com sua reputação, passo a passo:


1 - Entender que o processo é transversal, ou seja, inclui a empresa toda, e o principal líder deve estar envolvido.
É a velha máxima, se você não convencer o dono que ele tem que investir ou nas palavras de alguns: gastar dinheiro investindo em algo tão abstrato como a marca, dificilmente essa atividade será valorizada ou mesmo terá sucesso no longo prazo.

2 - Ter informações a respeito do que está acontecendo. Inteligência sobre o que impacta a reputação e a marca, porque um setor é muito diferente do outro.
O básico da atividade de Marketing é conectar a empresa com seus potenciais clientes, seja através de produtos ou serviços e claro, todas as outras atividades que a empresa faz é justamente o que move o "pico da montanha para cima". Assim, não dá para trabalhar uma marca, uma empresa, um produto, um serviço se você não busca entender o que dizem sobre você. E só tem um objetivo: saber se falam bem, mal ou o que falam sobre sua marca.

3 - Contar com um processo de análise de oportunidades e riscos, para fazer a gestão da marca e da reputação. É preciso mensurar, ter KPIs (indicadores de performance) e um processo transversal para isso.
Do que adianta você falar que investe se você não mensura? Sempre digo que você só faz gestão do que conhece. Se não conhece, não controla. Logo, mensurar é importante no mínimo para que você tenha controle e gestão da sua marca.

4 - Ser menos arrogante – vale para as empresas e os executivos.
Humildade não é coisa de executivo que vai pra Índia encontrar um mantra, basta ouvir, refletir e opinar sem ser crítico sabedor do universo. Ninguém gosta de uma marca arrogante, se os executivos são, imagina como os clientes falam da marca da empresa.


Seu para casa: O que os clientes falam da sua empresa?

Fonte: Estadão

Pesquisa mostra que brasileiros compram até 36% mais após comercial de TV do em na internet

A relação entre os espectadores e o conteúdo televisivo é tema do estudo recente da Discovery Networks. A pesquisa Television Beyond TV – Expandindo o significado da televisão revelou que, mesmo com a maior incidência de dispositivos móveis, o aparelho de televisão permanece preponderante. Dos 500 brasileiros entrevistados, 63% assistem a conteúdos audiovisuais na TV diariamente. No computador, essa frequência cai para 21%. Smartphones (10%) e tablets (6%) aparecem na sequência.

A expansão do conteúdo para outras telas não mudou a preferência dos brasileiros, uma prova é que 65% afirmam que o aparelho de TV permanecerá como principal item na sala nos próximos anos. Essa relação emocional também favorece as marcas. Dos participantes do estudo, 66% dizem que os anúncios transmitidos pela TV se converteram em compra, contra 30% dos veiculados em plataformas online. O estudo também mostra que 81% estão atentos às propagandas transmitidas nos intervalos da TV linear enquanto 44% prestam atenção nos anúncios online.

Além do Brasil, a pesquisa ouviu 4500 pessoas, entre 16 e 54 anos, em oito mercados, entre eles México, Estados Unidos, Dinamarca e Suécia. Com 500 participantes, o Brasil representa 11% da amostra. O levantamento foi desenvolvido pela área de Pesquisa e Insights da Discovery Networks em parceria com o Instituto Sparkler.

Aí você se pergunta, isso significa que eu devo parar de usar a internet e até os panfletos para me comunicar com o mercado?

Fonte: mmonline

Ações sustentáveis do McDonald’s inclui até Moratória da Soja

Enquanto o consumo de produtos mais "verdes", orgânicos e mais responsáveis ambientalmente crescem no mundo todo, o McDonald's mostra em ações como essa bandeira de sustentabilidade é executada.

Ao anunciar seu apoio à Moratória da Soja, há dez anos, o McDonald’s contribuiu de forma significativa para uma grande mudança nessa indústria. O compromisso da rede para proteger a saúde da floresta Amazônica foi reconhecido pelo Greenpeace como o maior movimento da indústria para salvar a floresta tropical brasileira. A iniciativa rendeu à empresa um prêmio da Keystone Institute, que honra companhias por sua liderança, visão, capacidade de resolução de problemas e soluções colaborativas para questões socioambientais.

Como um dos maiores compradores de soja de forma indireta através dos insumos que compramos, o McDonald’s foi pioneiro na disseminação da moratória em sua cadeia produtiva, fazendo com que todos os seus fornecedores passassem a comprar soja apenas de locais fora da zona de desmatamento.

Em maio, a Moratória da Soja foi renovada por tempo indeterminado. A rede reconhece a importância que as florestas desempenham na saúde global do planeta e acredita que ações como essa são uma parte da jornada para eliminar o desmatamento da cadeia de suprimentos e ajudar a preservar as áreas de conservação em todo o planeta.


Essa é apenas uma das iniciativas da rede em projetos que envolvam sustentabilidade e utilização dos recursos naturais:

# 100% das embalagens do McDonald’s no Brasil contêm o Selo da Forest Stewardship Council®, que reconhece que toda a cadeia de produção das embalagens provenientes da celulose realiza o manejo florestal responsável do ponto de vista econômico, social e ambiental.

# O café servido nos McCafés e em nossos restaurantes é fornecido pela Café do Centro, maior empresa brasileira de torrefação de cafés gourmet, que conta com uma produção cafeeira certificada pela Rainforest Alliance.

# (MSC) - A certificação conquistada pelo McDonald’s Brasil garante que o peixe utilizado no McFish é rastreado desde a sua pescaria e segue todas as normas globais do MSC - Marine Stewardship Council.

# Usar conscientemente a energia e buscar novas fontes, mas econômicas segue como prioridade da Cia. Os novos restaurantes da rede já nascem com a sua iluminação em LED, significando uma redução de 40% no consumo para este tipo de uso

# O McDonald’s investe em projetos de reuso da água e revisou todos os programas e processos internos, o que colaborou para uma redução média de 17% no consumo de água nos restaurantes. Uma das iniciativas de destaque foi o projeto Natal, que reusa a água condensada do ar-condicionado para fins não-potáveis.

# A grande maioria dos restaurantes drive-thru do McDonald’s possuem cisternas ou caixas d’água para armazenar água das chuvas. Essa água é utilizada na limpeza de calçadas e em descargas de banheiros. Com isso, a empresa conseguiu, até agora uma redução de até 30% em seu consumo de água.

Que tal listar as ações que sua empresa faz para contribuir para uma sustentabilidade de fato?

Brazil Promotion e Popai Brasil na 14ª edição da feira


Evento acontece entre 2 e 4 de agosto em São Paulo

Faltam menos de dois meses para a 14ª edição da Brazil Promotion – Live Marketing e Retail, que ocupará o Transamérica Expo Center, entre os dias 2 e 4 de agosto, preparada para levar ao público as soluções mais criativas e avançadas tecnologicamente para campanhas promocionais e de varejo, além do trade de eventos. Conhecida como a maior feira de marketing promocional da América Latina e grande inspiradora de tendências, o evento está cheio de novidades e lançamentos com foco no mercado corporativo. Além disso, a organização da feira estabeleceu parceria com a Popai Brasil - The Global Association for Marketing and Retail.

Dois grandes eventos da instituição acontecerão dentro da Brazil Promotion: a 16ª edição do Prêmio Popai Brasil 2016, única premiação a reconhecer os mais criativos projetos de visual merchandising, ações promocionais no ponto-de-venda e arquitetura comercial; e o Seminário Internacional de Marketing no Varejo (SIM Varejo 2016), com foco no tema “PDV de Performance”, abordando ações de desempenho eficaz no Varejo (a grade completa será apresentada em breve). Além das palestras do Popai, será realizado simultaneamente o Seminário Promo Tendências – promovido em parceria com a Associação de Marketing Promocional e Live Marketing (AMPRO). Clique AQUI para ver a programação completa.

A Brazil Promotion tem se consolidado cada vez mais como uma feira voltada para soluções de marketing promocional e live marketing para o mercado corporativo. Em razão disto, empresas como Netshoes, Vivara, Faber-Castell, Pepsico, Swarovski, BIC, Oxford, Nadir Figueiredo, Copag, Fom, Samsonite, se juntaram aos 240 expositores que já enxergam a personalização de produtos como um recurso efetivo nas ações promocionais.

“A cada ano a Brazil Promotion vem se fortalecendo como importante canal de negócios e trazendo relevantes marcas, produtos e serviços para nossos visitantes. Nosso compromisso e empenho são para que as ações envolvam os consumidores em um ambiente lúdico, repleto de interações e experiências ao vivo que contribuam para as estratégias de branding das empresas, conta Auli De Vitto, CEO da Forma Promocional, idealizadora do evento.

Visitação - A visitação à feira é gratuita.
Os interessados devem realizar o pré-credenciamento no site www.brazilpromotion.com.br. No dia do evento, basta retirar o crachá de acesso na recepção. Não é permitido o acesso para menores de 18 anos, mesmo que acompanhados pelos responsáveis.

Evento
Brazil Promotion – Live Marketing and Retail 2016
Data: 2 a 4 de agosto
Horário: 13h às 20h
Local: Transamérica Expo Center - Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 - Santo Amaro - São Paulo – SP
Mais informações sobre a feira: www.brazilpromotion.com.br

Facebook muda a entrega de posts e faz anunciantes se adaptarem

Facebook muda algorítimo (regras e premissas de como funciona) e prioriza a publicações de amigos e família em vez dos "impulsionados".

Nada é estático e para frear a queda de audiência entre os jovens, o Facebook resolveu mudar (29.06.2016) a prioridade de entrega do feed de notícias da rede social. A prioridade na página do usuário será os posts de amigos e familiares, assim como em seus primórdios. É fato, o comportamento que deu audiência ao Facebook foi sempre as "fofocas" de pessoas próximas, e parece que depois de alguns anos, perceberam isso pelos amargos números em queda.

“O Facebook foi construído com ideia de conectar pessoas com seus amigos e famílias”, escreveu Adam Mosseri, vice presidente de produto do Facebook. “Esse ainda é o princípio que guia nosso feed hoje. Nossa principal prioridade é conectar o usuário a pessoas, lugares e coisas as quais ele queira estar conectado – começando pelas pessoas que são amigas no Facebook”, disse.

Segundo ele, o time de engenharia da empresa está trabalhando para fornecer recomendações mais personalizadas que aparecerão no topo do página. Ou seja, você que trabalha com o jargão "administrar as postagens do Facebook", vai ter que pensar antes em como "engajar mais o cliente do seu cliente".

Em outro post no blog da empresa, o diretor de engenharia do Facebook, Lars Backstrom, afirmou que a alteração de prioridade pode impactar negativamente os anunciantes da rede social, e que a alternativa para as marcas será apostar no engajamento do público ao compartilhar conteúdo: “Nós entendemos que esta atualização pode afetar o alcance e o tráfego de algumas páginas”, ele escreveu. “O impacto na distribuição e outras métricas de uma página podem variar dependendo da composição da sua audiência”, pontuou.

Resumindo, quem não se adaptar, vai perder audiência, engajamento e consequentemente, faturamento.


Fonte: mmonline

YouTube Kids é um novo segmento para crianças de 2 a 8 anos


Enquanto sua empresa vive de um "único produto", em mercados já consolidados, a segmentação se torna mais evidente pelos grandes players.

É por isso que o Google lançou (30.06.2016) no Brasil a plataforma Youtube Kids com conteúdo educativo voltado para crianças entre 2 e 8 anos. Disponível para Android e iOS, o app propõe um ambiente mais seguro para crianças.

Já que o comportamento dos pais é justamente observar que as crianças e até bebês se distraem com um smartphone na mão, seja por passar videos ou por pequenos jogos, por que não criar um produto para esses "pequenos clientes potenciais"?

O aplicativo já opera nos Estados Unidos há mais de um ano, acumulando mais de 10 milhões de downloads. O maior controle é uma das vantagens em relação ao aplicativo regular do YouTube.

O problema é que crianças nessa idade sabem navegar e usar outros aplicativos ou mesmo instalar programas. Mas é uma alternativa para os pais educarem seus filhos a usarem apps mais restritivos.

Do ponto de vista de negócios, a estratégia só aumenta a quantidade de ferramentas do Google no rotina diária das pessoas em todos os níveis e perfis.

fonte: mmonline