Zé Delivery | Ambev entrega cerveja gelada em até uma hora


Sim, Marketing também é criar novas formas de estimular o consumo, como uma plataforma Delivery!

Pergunta problema para criar um novo negócio

Mas que é mais legal do que cerveja gelada na porta de casa?

Para responder isso, a Ambev criou o Zé Delivery, um serviço de entrega de bebidas da marca. A ação atende as cidades de São Paulo, Ribeirão Preto e na Região do ABC, por enquanto.

Você que tem uma distribuidora de bebidas deve estar pensando: agora me lasquei! Calma, a Ambev entende que o seu core business, o seu principal negócio é bebidas. Opa, você que já tem delivery de bebidas pode respirar aliviado. Mas você que é cliente de cerveja gelada também não precisa se desesperar para pedir, o serviço ainda está sendo implantado e claro, tem toda uma lógica de plataforma online por trás que dá sustentação ao "conceito do negócio Delivery". Talvez por isso não tenha levado o nome da empresa e sim do "Zé", um personagem popular ao estilo "Porteiro Zé".


Vantagens para a Ambev?
Priorizar a sua marca em um canal de distribuição popular, a internet. É quase que uma loja online de venda de cerveja gelada.

Além dos rótulos mais conhecidos da empresa, o portfólio do Zé conta com cervejas especiais e importadas. Também é possível pedir outras bebidas alcoólicas, refrigerantes e energéticos. Dependendo da região, o Zé entrega ainda carnes, gelo e carvão.

Para fazer um pedido, basta acessar o site do serviço, digitar o CEP e escolher os produtos. O pagamento pode ser feito no cartão ou com dinheiro e o serviço funciona até de madrugada.



Lá você também encontra a oportunidade de ser distribuidor.


Você tem perguntas, O ZÉ RESPONDE...

1. QUEM É O ZÉ?
Zé é seu amigo que sempre pode te ajudar. Ele é o cara gente boa que sempre sabe para quem ligar na hora certa. É por isso que quando você precisa de cerveja, você pede para o Zé.

2. COMO O ZÉ FUNCIONA?
É quase como mágica. Você fala para o Zé o que você precisa e ele arranja um de seus parceiros para levar até você. Escolha a cerveja que você quiser e em até 5 minutos o Zé confirma seu pedido e faz todo o resto.

“Já desejou por cerveja gelada na porta da sua casa? Não deseje mais, o Zé está aqui”
3. ONDE O ZÉ ATENDE?
Até agora estamos experimentando. O Zé quer ser o melhor para você. Então atendemos em uma região pequena de São Paulo. Mas não se preocupe, em breve vamos disponibilizar o Zé para todos que precisam. Cadastre-se no newsletter do Zé que te enviamos as últimas novidades.

4. QUAIS OS HORÁRIOS DE ATENDIMENTO DO ZÉ?
O Zé utiliza seus parceiros locais para entregarem o que você precisa (principalmente cerveja). Por isso o horário de cada região pode variar, dependendo do horário de atendimento de cada parceiro do Zé. Fale o CEP de onde você precisa do Zé na página inicial que ele te fala o horário.

5. QUANTO TEMPO LEVA UMA ENTREGA DO ZÉ?
O Zé é parceiro somente dos melhores caras. Por isso quando você pede algo para o Zé a coisa é rápida. Sabemos que cerveja não é brincadeira. E quem precisa, precisa para agora. Gelada.

“É tipo tele transporte. Você fala o que precisa, e de repente já tá lá” – Zé
6. POSSO CANCELAR MEU PEDIDO?
Zé é seu amigo. E com ele não existe tempo ruim. Precisou cancelar, pegue o telefone e fale com a gente. Resolveremos o problema. Mas também seja legal com o Zé. Fazemos tudo muito rápido, e se você pensar demais um de nossos parceiros já poderá estar à sua porta.

Fontes: AdNews, Exame

Onde tem Apple Stores agora será apenas Apple

Apple Stores agora serão apenas Apple

Mudar o nome é Marketing!
Toda marca é viva e todo nome vive de mudanças para refletir lá na frente o resultado esperado, isso é uma parte do Branding.
E sim, qualquer loja da Apple terá, simplesmente, o nome da marca.

A famosa loja de vidro de Nova York, por exemplo, será "Apple Fifth Avenue".
Parece um detalhe insignificante ou opcional, mas não é.
A empresa mandou um email interno a todos os funcionários falando da mudança da marca e pedindo para esquecerem o "store" do nome.
Chamar a Apple Store apenas de Apple parece bem estranho em um primeiro momento, mas não é.
A Apple só quer ser como qualquer outra marca. As pessoas usam esse tipo de sinédoque o tempo todo.

Ninguém fala, por exemplo, "Vou à loja Pão de Açúcar", sim "Vou ao Pão de Açúcar".
E todos entendem que a pessoa está indo ao mercado, não "indo à marca" ou muito menos indo à sede da empresa Pão de Açúcar.
A mesma coisa para McDonald's, Burger King, Starbucks etc.

Motivos
Um outro motivo da mudança: a marca não quer que as pessoas vejam a loja apenas como uma loja.
Sim, há uma infinidade de iPhones, iPads e iMacs disponíveis para compra.
Mas a empresa quer que as pessoas vejam os locais como um "ponto de encontro".
Uma loja de San Francisco, por exemplo, se tornou, praticamente, a nova praça local.
As pessoas se reúnem para workshops, palestras e até shows de música.
A Apple pensa em replicar esse modelo de loja para outras 500 unidades.

Fonte: Exame

McDonald’s comemora 40 anos de patrocínio dos Jogos Olímpicos Rio 2016


Os tamborins ainda ecoam na Cidade Maravilhosa, após a festa de encerramento dos Jogos Olímpicos Rio 2016, e os executivos do McDonald’s já se preparam para Tokyo 2020. Há 40 anos apoiando o evento, a marca faz um balanço positivo da operação durante dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Além da atuação em dois pontos de venda – que se tornaram os queridinhos dos atletas e torcedores –, a rede promoveu ações que premiaram clientes e prestigiaram funcionários.

Na semana passada, uma delegação de asiáticos esteve no país para diversas reuniões com executivos brasileiros e receberam informações sobre a atuação da marca durante os Jogos Olímpicos. A ideia é conhecer as melhores práticas, para que sejam replicadas e aperfeiçoadas no próximo evento.

“Foram dias de trabalho intenso, mas muito gratificantes. A operação transcorreu sem problemas e se tornou um exemplo de eficiência na Vila e Parque olímpicos. Ainda, demos aos nossos clientes e funcionários uma experiência única. Trouxemos um legado importante de Londres e, com certeza, entregaremos muitas lições aos nossos pares em Tóquio”, afirma David Grinberg, diretor de Comunicação Corporativa da Arcos Dourados – que opera a marca McDonald’s no Brasil – e responsável pelo projeto olímpico no país.

Crianças - A marca levou 100 crianças para a cerimônia de abertura, vindas de mais de 10 países diferentes. Desse total, 41 crianças eram brasileiras. Além de participarem da festa que deu início aos Jogos, acompanhando os porta-bandeiras dos países participantes, as crianças foram ao Rio de Janeiro com um acompanhante.

Restaurantes – Não há dúvida: além da medalha, o maior desejo dos atletas era fazer uma refeição no McDonald’s. Durante os jogos, muitos deles se alimentaram e comemoraram suas performances no restaurante da Vila Olímpica. E não deu outra. Nas filas da Vila Olímpica, atletas de diversos países e modalidades se misturavam aos familiares, treinadores e jornalistas.

Os atletas comeram mais de 100 mil vezes no restaurante da Vila Olímpica, ou seja, cada um foi, em média, 10 vezes ao McDonald’s antes, durante e depois de suas competições.

No Parque Olímpico, o McDonald’s construiu o maior quiosque de sobremesas do mundo, com 200m2 e sete metros de altura. Durante duas semanas, foram servidas mais de 150 mil pessoas, que consumiram milhares de casquinhas, sundaes e McFlurry. Ainda, a marca levou um  McCafé aos estúdios da NBC, construído exclusivamente para profissionais da emissora norte-americana.

Os itens mais consumidos durante os Jogos Olímpicos foram McFritas, BigMac, refrigerante, Chicken McNuggets, McFlurry e  Smoothie.

Funcionários – Para servir diariamente os mais de 10 mil atletas hospedados na Vila Olímpica e os espectadores do Parque Olímpico, foi montado um time de 250 funcionários. A seleção começou há um ano e teve a meritocracia como base principal. A cada turno, 91 colaboradores trabalharam no restaurante da Vila Olímpica e 57, no quiosque de sobremesas.

Foram escolhidos funcionários de São Paulo e do Rio de Janeiro, que passaram por avaliação de seus gestores e por diversos testes. E deu certo. “A experiência foi incrível, eles foram verdadeiros atletas. Traduziram como ninguém a hospitalidade brasileira e garantiram essa que foi uma das maiores operações da marca em um ambiente fora do restaurante. Estão todos de parabéns”, finaliza Grinberg.

Fonte: Multitexto

Adwords tem 15 produtos e serviços proibidos em seus anúncios


Quem usa ou já ouviu falar em anúncios patrocinados, sabe que o AdWords do Google é uma boa plataforma de anúncios para milhões de clientes ao redor do mundo. Aliás, sua vultosa receita vêm, justamente, dos anúncios. Quem trabalha com Marketing Digital e não sabia disso, está na hora de "decorar".

Mas não é qualquer coisa que a empresa permite anunciar em suas páginas. Dos óbvios (armas e drogas) aos inusitados, são muitos produtos banidos.

As políticas do AdWords deixam claro todos os produtos e serviços restritos ou proibidos.

Também há normas sobre práticas proibidas, como anúncios maliciosos, abusivos ou que fazem coleta indevida de dados.

Na semana passada, um novo item entrou na lista de coisas proibidas: os empréstimos consignados que não deixam claro os termos do empréstimo, nos EUA chamados de "payday loans".

Para o Google, pessoas desesperadas em busca de empréstimo acabam fazendo uma consulta online antes de procurar um banco de confiança.

Assim, acabam encontrando serviços desonestos e fraudulentos.

Confira abaixo os 15 exemplos de anúncios proibidos e também diversos casos de anúncios restritos.

1. Fogos de artifício
Os fogos de artifício entram na lista de produtos explosivos que podem causar danos às pessoas.

2. Praça da Paz Celestial
O massacre de 1989 da Praça da Paz Celestial na China (Praça Tiananmen) é assunto proibido pelo governo chinês. O Google, "gentilmente", baniu esse tipo de coisa na China. Mesmo assim, o site é bloqueado por lá. Tibete e Taiwan também são assuntos banidos.

3. Paintball
As armas de paintball entram na lista de armas "de esporte" vetadas. Armas de ar comprimido também são banidas.

4. Cigarros
Qualquer cigarro ou produto contendo tabaco é proibido.

5. Empréstimos
O mais novo serviço a ser proibido. Os empréstimos consignados podem atrair tratantes atrás de pessoas desesperadas.
Para um serviço financeiro do tipo ser anunciado, só deixando claro todos os termos do acordo e uma confirmação no site do anunciante de que as taxas são tão baixas quanto as taxas médias de empréstimos em banco.

6. Bombas e explosivos
Por motivos óbvios, bombas e explosivos são proibidos. Armas químicas entram na lista.

7. Identidades falsas
Serviços oferecendo identidades falsas são banidos. Como criar CPF falso.

8. Vídeos do Estado Islâmico
Ninguém precisa compartilhar e ver atrocidades do grupo terrorista Estado Islâmico. Aliás, qualquer vídeo de violência explícita é banido.

9. Falsificação acadêmica
Sabe aquele velho truque de "pagar para alguém fazer o TCC"? Pois é, o Google proíbe em seus anúncios.

10. Serviços de hackers
Serviços de hackers ou instruções sobre hackeamento de softwares são banidos.

11. Drogas
Drogas, naturais ou sintéticas, são banidas. Qualquer coisa relacionada a elas também não podem (cachimbos, sedas, bongs).

12. Armas de fogo
Outro produto obviamente banido.

13. Facas perigosas
O Google não vai proibir um belo faqueiro de casamento, mas não permite facas "perigosas" - aquelas que parecem menos uma faca de manteiga e mais uma arma branca.

14. Animais em risco
Qualquer anúncio que venda animais em risco de extinção ou que lucre com eles é banido. Não vale, portanto, marfim de elefante, barbatana de tubarão, óleo de baleia e outros itens.

15. Produtos falsificados
Produtos piratas, obviamente, não podem ser anunciados.

Os restritos
O Google ainda restringe diversos tipos de anúncios. Ou seja, são anunciados de forma limitada e devem seguir regras muito específicas e duras.

Eis algumas coisas restritas: jogos de azar, apostas, serviços de encontro, serviços internacionais de casamento arranjado, conteúdo sexualmente sugestivo, bebidas alcoólicas, imagens de nudez, mercadorias voltadas para o público adulto, Viagra, medicamentos sem prescrição médica.

Quem trabalha com marketing digital e adwords, deve se atentar para as restrições e proibições. Lembrem-se que sempre há atualizações.


fonte: Exame, Google







Subway tem nova logo em bold e mais redonda

Estratégia de Marketing nem sempre é só pensar nos produtos, por exemplo. A construção de uma marca, antes de passar nas mãos de um designer ou mesmo em um processo conjunto de "idas e vindas" entre a criação, o planejamento, o atendimento e a cúpula de decisão de uma empresa é no fundo, Marketing!

A nova logo já tem comercial para 2017 (ao final) e revela um pouco o que é o sanduíche, redondo e "gordo". Nada como representar em uma logo "Bold" e com curvas!

O novo logo tem cores mais vibrantes e possibilita a utilização de um “S” que se forma com a junção das duas icônicas setas da companhia.



As cores mais vivas é um posicionamento que diversas marcas têm preferido atualmente. O “S” foi pensado, principalmente, para o mobile, fazendo com que ele possa ser utilizado como ícone de aplicativo.

“A marca Subway é reconhecida em todo o mundo, e este novo visual reforça o nosso compromisso com a ficar fresco e com visão de futuro com um design que é clara e confiante sem perder de vista a nossa herança “disse Suzanne Greco, presidente e CEO da Subway


Empreendedorismo
O Subway começou simples, a partir de uma ideia de um garoto de apenas 17 anos. Já são mais de 40 mil restaurantes espalhados por 85 países.

E aí, vamos renovar a sua logomarca, sua identidade e sua reputação?

Fonte: Exame

Brazil Promotion é maior feira de marketing promocional da América Latina

Brazil Promotion reúne 220 expositores e apresenta soluções criativas e avançadas tecnologicamente para campanhas promocionais e de varejo

A maior feira de marketing promocional do Brasil reúne cerca de 220 expositores e apresenta as principais soluções criativas e avançadas tecnologicamente para campanhas dos setores promocionais e de varejo. Na próxima semana, entre 2 e 4 de agosto, o Transamérica Expo Center recebe a 14ª edição da Brazil Promotion – Live Marketing and Retail, com previsão de receber mais de 12 mil visitantes.

Reconhecida como grande inspiradora de tendências, com produtos e serviços para o mercado corporativo, o evento reúne empresas como Netshoes, Vivara, Faber-Castell, Pepsico, Swarovski, BIC, Oxford, Nadir Figueiredo, Copag, Fom, Samsonite, entre muitas outras que já enxergam a personalização de produtos como recurso efetivo nas ações promocionais. De acordo com a Associação de Marketing Promocional (AMPRO), no ano passado a indústria do Live Marketing movimentou R$ 46 bilhões.

Diante das incertezas do cenário econômico, que tem provocado mudanças nos investimentos em comunicação, parte das verbas direcionadas vão para outras áreas além da publicidade como forma de atrair a atenção do público. Segundo pesquisa da AMPRO, é cada vez maior o número ações de marketing promocional executadas pelas companhias. O estudo aponta que 93% investem em ações de ativação, 92% realizam eventos e 88% migram suas verbas para campanhas promocionais, com oferta de brindes e presentes corporativos.

Auli De Vitto, CEO da Forma Promocional, responsável pela idealização da feira, destaca que o evento é uma oportunidade para empresas encontrarem recursos e estarem mais próximas de seus consumidores e aumentarem suas vendas. “A Brazil Promotion é uma vitrine que apresenta e antecipa as principais novidades e tendências do mercado. A cada ano buscamos trazer relevantes marcas, produtos e serviços para nossos visitantes”, destaca.

A visitação à feira é gratuita. Os interessados devem realizar o pré-credenciamento no site www.brazilpromotion.com.br. No dia do evento, basta retirar o crachá de acesso na recepção. Não é permitido o acesso para menores de 18 anos, mesmo que acompanhados pelos responsáveis.



Quando
Brazil Promotion – Live Marketing and Retail 2016

Data: 2 a 4 de agosto

Horário: das 13h às 20h

Local: Transamérica Expo Center - Av. Dr. Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 - Santo Amaro - São Paulo – SP

Mais informações sobre a feira: www.brazilpromotion.com.br


Caso não esteja visualizando as imagens, acesse aqui


Brazil Promotion 2016

Seminário Seja VIP Convide seus amigos

Showroom de Ideias Prêmio POPAI Expositores

Clique aqui e faça sua pré-inscrição









Marketing de Cheesecake solidário

"Aqueça o outro e também seu coração!". Esta é a proposta da campanha criada pela De Dar Água na Boca Cheesecakeria para ajudar moradores de rua e pessoas carentes vulneráveis ao frio rigoroso deste inverno em Belo Horizonte.

"A gente adora olhar pro próprio umbigo e falar dos nossos produtos, sabores e lançamentos, mas achamos que só isto não basta, pois, também, gostamos muito de observar e preocupar com o outro, com quem está à nossa volta. Como estamos nas praças todas as noites com a nossa food bike, sentimos na própria pele o rigor deste inverno. E olha que estamos muito bem agasalhados e temos a certeza que, na volta pra casa, uma cama limpa, quente e aconchegante nos espera. Daí, pensamos como deve estar difícil para moradores de rua e outras tantas pessoas carentes conviver com todo este frio", diz Victor Viegas, um dos sócios da cheesecakeria.

Para tentar ajudar, a De Dar Água na Boca Cheesecakeria lançou durante todo o mês de julho a campanha "Aqueça o outro e também seu coração!". Na compra de três cheesecakes da "De Dar Água na Boca", doe agasalhos e cobertores e ganhe na hora um delicioso cheesecake. Você escolhe o seu predileto entre oito opções de sabores (limão, maracujá, frutas vermelhas, goiaba, Nutella, Óreo, paçoca com calda de caramelo e doce de leite)! Para fazer as doações, basta encontrar a food bike nas praças Leonardo Gutierrez, no Gutierrez, Iris Valadares, no Belvedere, Guimarães Rosa, na Cidade Nova, Praça Manoel de Souza Barros, no bairro Castelo, Praça do Papa, entre outras, ou por meio das redes sociais.


Instagram: instagram.com/cheesecakeaguanaboca
Site: www.cheesecakeaguanaboca.com
Facebook: www.facebook.com/cheesecakeaguanaboca/
WhatsApp:(31) 9 9766-6329

Fonte: Multitexto

McDonald's tem o maior quiosque de sobremesas do mundo no Parque Olímpico

McDonald's terá restaurante e o maior quiosque de sobremesas do mundo no Parque Olímpico na Barra da Tijuca no Rio de Janeiro

Quebrar recordes não é tarefa somente dos atletas que estarão nos Jogos Olímpicos Rio 2016. O McDonald’s, restaurante oficial do evento, está finalizando a construção do maior quiosque de sobremesas do mundo no Parque Olímpico, na Barra da Tijuca. São 200m2, 7 metros de altura (equivalente a um prédio de dois andares) e cinco posições de caixa. Para operá-lo, foram recrutados 57 funcionários – segundo a empresa, os melhores em atividade na cidade do Rio de Janeiro. A expectativa é atender 25 mil clientes por dia.
Segundo o diretor de Comunicação da Arcos Dourados e responsável pelo pelo programa olímpico, David Grinberg, a marca vai oferecer para o público um menu otimizado e icônico, ou seja, os sucessos de público. Estarão disponíveis, de acordo com o executivo, a famosa casquinha, sundae de chocolate e morango e três sabores de McFlurry. “Os preços que vamos praticar serão os de mercado, ou seja, não terá diferença entre os valores do parque e dos restaurantes do Rio”, afirma Grinberg.

Além de renovar o compromisso da marca com a vida ativa – o McDonald’s patrocinou a primeira Olimpíada em 1976 –, oferecer alimentação para público e atletas reforça a operação local da empresa, que está no país há 37 anos e emprega mais de 35 mil funcionários. E parte deles será diretamente beneficiada pelo patrocínio. Além do grupo que vai operar os quiosques, 91 colaboradores serão ‘importados’ de São Paulo para trabalhar no restaurante da marca na Vila Olímpica. A primeira turma, formada por 11 funcionários, chegará ao Rio de Janeiro no próximo dia 23.

Ainda segundo Grinberg, assim como para o quisoque, a meritocracia foi o ponto inicial para escalar os funcionários para o restaurante, que também está nas marteladas finais, quase pronto. “Sem dúvida, será uma experiência inigualável. Eles terão transporte e hospedagem por conta da empresa, além da chance de, quem sabe, servir McNuggets para o Usain Bolt”, brinca o diretor, referindo-se ao produto McDonald’s preferido do atleta jamaicano.

Toda a estrutura usada na construção dos dois espaços e do McCafé – que atende exclusivamente a rede norte-americana NBC, na área exclusiva para jornalistas – é feita de madeira certificada. E o material já tem destino certo: após o fim da Olimpíada, será enviado a parceiros ‘verdes’, para reciclagem e reuso.

Resultado financeiro

A divisão brasileira da Arcos Dorados, maior franquia do McDonald’s no mundo, registrou crescimento de 8,2% na receita do primeiro trimestre de 2016, em relação ao mesmo período de 2015, em Reais. O faturamento reportado foi de US$ 288,6 milhões.

Em relação ao EBITDA Ajustado, a empresa atingiu um resultado 39,6% superior em Reais em relação ao 1º trimestre do ano passado, somando US$ 35,3 milhões.

“Os resultados reforçam que a estratégia de focar no cliente e na excelência da operação está correta. Ainda vivemos em um cenário econômico instável, mas nossa experiência de Brasil nos dá também musculatura para enfrentar o momento e buscar, com sucesso, soluções inovadoras para expandir a liderança do nosso negócio”, afirma Paulo Camargo, presidente da Divisão Brasil da Arcos Dorados.

Entre as ações que contribuíram para o sucesso dos resultados no primeiro trimestre estão o reforço das plataformas de valor existentes e a entrega de novidades para os consumidores, como o lançamento da linha premium Signature - com o sanduíche ClubHouse -, novos sabores de sobremesa McFlurry Trufado Kopenhagen e Amor aos Pedaços, além da boa aceitação das propriedades de McLanche Feliz.

Fonte: Multitexto

Tele Sena faz concurso para criar comerciais no SBT via crowdsourcing

"Quem quer dinheiro" é um slogan brasileiro reconhecido por todos à personalidade do Silvio Santos. Então, por que não usar o "dinheiro" como motivador a participação do público? Engajamento, gamification, open innovation, interatividade, seja lá que sinônimo você queira dar a isso, saiba que é o mais básico de todas as ações de marketing: ouvir o cliente. E é exatamente isso que a campanha faz, dentro de um processo, uma etapa será ouvir "o cliente" do SBT e a forma de premiar para aumentar o envio de boas ideias é o clássico dinheiro!


A campanha de Natal da Tele Sena desse ano será criada pelo público.

O SBT está atrás de roteiristas, escritores, criativos, estudantes e qualquer pessoa que tenha uma boa ideia para esses comerciais de fim de ano.

Os comerciais serão estrelados por uma grande personalidade brasileira e sua família.

Como funciona
Para participar, os interessados deverão cadastrar sua ideia gratuitamente na plataforma de crowdsourcing Kaxola.

No site do Kaxola, é possível acessar o briefing detalhado com todas as regras e especificações do edital.

Os roteiros podem ser enviados até 7 de agosto. Cada participante pode enviar quantos roteiros desejar.

Depois disso, o departamento de Propaganda e Marketing da Liderança Capitalização escolherá os melhores.

São 11 categorias de comerciais, que variam em tempo (comerciais de 60 segundos a 15 segundos) e temática (dos mais emocionais aos bem-humorados).

Cada modalidade tem um pagamento diferente, de 4 mil reais a mil reais. No total, serão 15 mil reais em remunerações.

Utilizar o crowdsourcing para a campanha é um movimento da Tele Sena um tanto inovador e conectado com a atualidade.

O crowdsourcing (conhecimentos, ideias, projetos e soluções que surgem a partir de um grupo ou comunidade) já foi usado por grandes marcas internacionais em seu marketing, como Lego, GAP, Harley Davidson e Virgin America.


Kaxola
O site que promove o concurso da Tele Sena é a primeira plataforma de crowdsourcing do Brasil e agencia ideias de comerciais, apps, sites e outros projetos.

Shoppings aumentam frequencia de velhos e dos que não compram

O Shopping já foi sinônimo de "centro de compras". Agora está se tornando mais em um "centro de lazer e menos compras", é o que mostra um estudo do Ibope Inteligência.

Entre 1998 e 2016, o número de shoppings no Brasil explodiu. Eram 185 locais em 1998, espalhados em apenas 81 cidades.

Em 2016, são 503 centros, em 191 municípios.

Os números da pesquisa usaram como amostra os clientes de São Paulo e Rio de Janeiro, apenas.

Confira 9 variáveis sobre os clientes de shopping centers no "Brasil"

1. Clientes mais velhos

A população brasileira está ficando mais velha. E os clientes de shoppings também - e de maneira mais acentuada. Em dez anos, 4 em 10 clientes terão mais de 45 anos. Isso impactará vários aspectos: arquitetura, ambientação, produto, promoção, localização.
Ano % 45 anos ou mais
1998 18%
2016 29%
2020 40%

2. Clientes mais estudados

Os clientes brasileiros de shoppings estão mais estudados. O número de clientes com ensino superior mais que dobrou em pouco menos de duas décadas.
Ano % com Ensino Superior
1998 21%
2016 48%

3. Classes mais altas

Clientes das classes A e B estão frequentando mais os shopping centers.
Ano % Classes A e B
1998 61%
2016 80%

 

 4. Menos mídias tradicionais

Mídias tradicionais, como rádio e jornal impresso, estão menos populares entre os consumidores de shoppings. Já a mídia segmentada, como a TV a cabo, cresceu.
Leitores de jornais 1998 2016
% 88% 44%
Assinantes de TV paga 1998 2016
% 40% 72%
Ouvintes de rádio 1998 2016
% 92% 70%

5. Tempo de consumo

Os brasileiros estão ficando mais tempo dentro dos shoppings.
Ano Tempo
1998 71 minutos
2016 84 minutos

6. Dentro das lojas

Apesar de mais tempo dentro do shopping, o brasileiro está entrando em menos lojas. Isso mostra que os clientes vão sem um objetivo claro de compra e precisam ser atraídos por vitrines. "Estas pessoas colocam o pé para dentro de alguma loja quando são 'fisgadas' pela vitrine. Produtos atrativos, exposição clara dos preços, entre outros fatores, devem ser muito bem planejados para que a loja seja bem-sucedida nesta tarefa", explica Márcia Sola, diretora da área de shopping, varejo e imobiliário do IBOPE Inteligência.
Ano Entraram em alguma loja
1998 83%
2016 67%
Ano Número de lojas visitadas
1998 3,3
2016 1,9

 7. Menos compra

As pessoas que frequentam shoppings também estão comprando menos:
Ano % que fez uma compra
1998 43%
2016 40%

8. Espaço de lazer

O fato dos brasileiros entrarem em menos lojas, comprarem menos e ainda assim passarem mais tempo no local mostra que o shopping é um espaço não apenas de consumo, mas de lazer e entretenimento. Inclusive, os shoppings aumentaram suas áreas de convivências. Shoppings antigos têm cerca de 8% de área de alimentação. Os mais novos dedicam 17% do seu espaço.
Veja a motivação de visitas:
Lazer 55%
Consumo 34%

9. Motivos da visita

Os consumidores estão indo menos pela compra e mais pelo lazer:
Clientes que vão comprar algo 1998 2016
% 46% 34%
Vão passear e ver amigos 1998 2016
% 16% 37%
Vão para comer 1998 2016
% 10% 18%

E agora, para onde vão as estatísticas dos shoppings? No meu ponto de vista, a tendência agora é ser eficiente, ou seja: não dá para atender mal, não aproveitar a entrada dos clientes dentro da loja e ignorar a concorrência. Quem continuar fazendo mais do mesmo, vai colher os mesmos resultados cada vez menores.

fontes: Exame e Ibope

Cover Model é o novo canal do iG para 'mulheres peladas'


Busque por sexo na internet, já que esse é o assunto mais buscado na internet e o mais compartilhado nas redes sociais, por que não investir em fotos de mulheres peladas.?

O iG acaba de lançar o “Cover Model”, seu canal destinado a ensaios fotográficos sensuais de modelos e celebridades do mundo artístico e da moda. Ou seja, mulher pelada, brasileiras peladas na tela do seu computador!

A primeira modelo a estrear no canal é a Gianne Albertoni.

As fotos serão mais uma inspiração para as amadoras que você encontra no Instagram e outras redes sociais se inspirarem em seus perfis e postagens.

Além dos ensaios, o espaço terá “making of” e entrevistas. “As conversas agregam conteúdo, fazendo com que o ensaio desperte o interesse dos públicos masculino e feminino”, afirma André Jalonestky, publisher do portal.

Resumindo, já que a Playboy saiu da asa do Grupo Abril, anda melhor do que "invadir" um segmento que nunca parou de crescer!

Mais acessos, mais audiência, mais cotas de publicidade vendidas!

Viu onde se encaixa o Marketing nesse contexto?

Fonte: meioemensagem

Marketing da Disney cria 400 emojis para iOS e Android

A estratégia de marketing da Disney está no caminho certo, se a maioria das pessoas usam o celular, porque não espalhar as extensões da marca, representada pelos seus personagens, nos celulares?

BrainStorm
QUais os aplicativos mais utilizados no celular depois, já que o telefone vem em segundo ou terceiro lugar?
Aplicativos de mensagens diretas! Óbvio. Logo faz todo sentido preparar o lançamento de uma coleção de emojis inspirados em seus carismáticos personagens.


Serão cerca de 400 emojis, que vão dos clássicos da marca (como "Alice No País das Maravilhas" e "Pequena Sereia") aos mais atuais (como "Monstros S.A." e "Lilo & Stitch").

Ainda há, claro, Mickey, Minnie, Pluto, Pato Donald e outros clássicos.

Os emojis incluem personagens originais da Pixar (que foi comprada pela Disney em 2006).



No teaser divulgado no YouTube, um jogo chamado "Disney Emoji Blitz" vai ajudar os usuários a colecionarem os novos emojis no smartphone.

A novidade estará, em breve, disponível para iOS e Android.


Fonte: Exame